Sobre o gerenciamento de projetos dito “tradicional”, eu particularmente acho muito estranha essa segmentação. Prefiro diferenciar estilos de projetos, onde algumas empresas faziam ou ainda fazem gerenciamento de projetos em modelo cascata (que funciona e não há nenhum problema nisso) enquanto outros adotam o modelo ágil que vem crescendo em uma escala de pelo menos 10% (ou mais) ao ano. O que todos pensam que vão ganhar com isso?

Primeiro ponto é estabelecer as diferenças entre um e outro. O cascata possui marcos de controle, em cada processo desse “modelo” existem esses marcos onde teremos que pedir “permissão” para passar a próxima fase. Um ponto negativo é que com o escopo fechado e o desenvolvimento iniciado há um transtorno muito grande caso seja solicitada uma mudança.

A diferença com o Agile é que você está configurando o escopo e a prioridade a cada duas a quatro semanas. Você está fazendo isso para garantir que seu trabalho esteja alinhado com as necessidades de negócio de maior valor, o tempo todo. Por exemplo, digamos que sua empresa quer desenvolver um aplicativo para compras na internet, utilizando o modelo cascata, seria necessário escrever um Termo de Abertura de Projeto ou um Business Case, estabelecer recursos necessários e então solicitar a autorização para execução.

Em Agile, provavelmente seria assim: Trabalhe com um patrocinador empresarial, defina a visão do aplicativo móvel, crie uma equipe e comece a desenvolver. A sobrecarga do projeto em Agile é muito menor, economizando tempo de idéia de execução. Este é o controle empírico do processo. Seu compromisso aqui é apenas dizer que isso é o que achamos que vai oferecer valor.

Nós vamos nos inspecionar e nos adaptar à medida que avançamos para garantir que o que oferecemos realmente é valioso.

Aldo Rocha

Sem comentários

Deixar uma resposta